Facebook
Twitter
Twitter
Google +
Home  |   WebMail  |   Fale Conosco
Publicada: 19/04/2018 08:58:00-MT
Kleber afirma que é um profissional e não vê problema em trabalhar “contra” Taques

Apesar de Kleber Lima ter deixado a gestão dentro do prazo para candidatura, garante não entrar no páreo

Foto:

Ex-secretário estadual no Governo Pedro Taques (PSDB), o jornalista Kleber Lima garante que não há restrições em trabalhar como marqueteiro para nenhum candidato, mesmo se for de oposição.

No entanto, promete agir de forma profissional, sem se utilizar das informações privilegiadas durante a campanha eleitoral, principalmente, quando os ânimos dos candidatos se acirram. O jornalista ingressou na equipe de Taques em novembro de 2016, quando assumiu o Gabinete de Comunicação (Gcom), depois de conduzir a campanha do então candidato a prefeito de Cuiabá, Wilson Santos (PSDB), derrotado por Emanuel Pinheiro (MDB).

Em dezembro do ano passado, foi remanejado para secretaria de Cultura, onde ficou por apenas quatro meses. Kleber deixou a pasta em abril para dedicar-se à vida profissional, na qual é consultor em comunicação e política eleitoral. Até por isso, durante a entrevista, evitou avaliar a gestão tucana, bem como o afastamento de ex-aliados de Taques.

O jornalista chegou a ser cotado para concorrer a deputado estadual, após deixar o PCdoB e se filiar ao Solidariedade, do prefeito de Rondonópolis Zé Carlos do Pátio.

Após ter deixado o governo, você está disposto a concorrer a algum cargo nesta eleição?

Já está decidido isso, não vou concorrer.

E como será a sua atuação nesta eleição?

Profissional, estou à disposição do mercado.

Há problema em fazer campanha para adversários do governador Pedro Taques (PSDB), uma vez que já participou da gestão?

Não tenho problema em trabalhar para ninguém, é meu trabalho. Como já diria o Fagner (cantor) “sem o seu trabalho o homem não tem honra”. Posso trabalhar para qualquer cliente desde que haja acordo entre as partes.

Então o seu futuro cliente sairia ganhando, uma vez que você ficou no governo dois anos.

Não vejo relação com isso, as coisas mudam muito rápido. As informações que tive acesso como secretário (do Gabinete de Comunicação e de Cultura) não serão utilizadas por questão de ética.

Qual avaliação do tempo que você no governo?

Tudo foi grande aprendizado, valioso, vou carregar comigo, isso ninguém me tira. Espero ter deixado alguma contribuição para o governo com a minha atuação, mas espero ter sabedoria necessária para a minha vida profissional e pessoal a partir desta experiência.

Essa mudança da Comunicação para Cultura foi determinação do governador?

Foi a convite do governador.

E gostou de ter atuado na Cultura?

Gostei, apesar do tempo curto, consegui deixar marca de que sempre vale a pena a gente dar atenção e respeito aos artistas.

Fora da gestão, como você observa ex-aliados do governador tecendo críticas a ele e à gestão tucana?

Prefiro não avaliar isso.

Qual seu futuro como agente público? há convite para retornar? O prefeito de Rondonópolis José Carlos do Pátio o convidou?

Eu sai do governo para retomar as minhas atividades profissionais, essa é a prioridade no momento, como pesquisador. Tenho empresa de pesquisa com boa reputação no mercado, a KGM Pesquisas. Vou retomar as minhas atividades de consultoria em comunicação e política eleitoral. Essa é a minha prioridade no momento. Esse é um ano importante profissionalmente para a minha área e vou me dedicar a ela.

E qual avaliação do governo que o senhor faz?

Prefiro não avaliar por agora. Deixei a condição político, agora sou profissional e quem tem que avaliar é agente político.

 

 

Fonte: RD News



PUBLICIDADE